quinta-feira, janeiro 19, 2006

Okinawa - Digitalizacoes impressionaveis - parte 3 - Chatan Chourou, o "veio porreta de Chatan"

北谷長老 - Uma historia de Okinawa


Da esquerda para direita: Chatan Chourou de 50 e de 100 anos, respectivamente. Ambos para deuses e/ou imortais SOMENTE. Nao estao a venda.... Mas podem ser roubados a qualquer momento (hehehehehe!!!)

Oficialmente, eu fui a Okinawa por minha pesquisa, ou ao menos por uma parte dela. Em principio, eu organizei um plano de viagem para tres dias de intenso trabalho, onde eu sairia de Hiroshima numa terca-feira e retornaria numa sexta, trabalhando terca, quarta e quinta, e curtindo um tantinho da sexta como turista. Meu orientador disse que eu nao conseguiria terminar o trabalho em tres dias, e me aconselhou a ficar naquelas terras paradisiacas e repletas de gringos por uma semana. Cheguei em Okinawa na manha de 10 de Janeiro, uma terca-feira ensolarada e quente pra cacete, e naquele mesmo dia me empenhei no meu trabalho. O completei em dois exatos dias. Como eu adoro a sabedoria oriental...

Na manha de quinta-feira, ja sem porra nenhuma para fazer, fui informado pelo Sr. Ise, dono do estabelecimento "Oyado", onde eu estava hospedado, que ali proximo ha a fabrica de Awamori de Chatan ("Chatan" eh o nome da cidade onde eu estava em Okinawa, e "Awamori" eh o destilado de arroz tradicional de Okinawa), e que visitas a fabrica sao possiveis e gratuitas. Obvio que antes de soar meio dia, eu ja estava la, com camera na mao e tudo o mais. O figado, eu deixei no "Oyado".

O Awamori de Chatan chama "Chatan Chourou", que em japones significa algo como "O envelhecido de Chatan", onde o carater para "chou" (em japones, "nagai") significa "comprido", ou "extenso", ou seja: o Awamori de Chatan eh envelhicido por bastante tempo. Ao me avistar, a primeira reacao do cara na portaria do estabelecimento foi esbocar um ingles meia-boca pra me explicar que ele nao falava ingles.... Quando eu comecei a falar em japones, senti que os olhos do cidadao brilhavam de alivio. Ele se chamava Sr. Sakamoto, que gentilmente me mostrou toda a fabrica, me explicando com detalhes o processo de fabricacao do Awamori de Chatan, desde a fermentacao dos ingredientes ate o processo de envelhecimento, apos a destilagem.

Em seguida, o senhor Sakamoto me convidou a experimentar de cada uma das variedades de Chatan Chourou produzidas agorinha: uma variedade de curto envelhecimento, de 5 anos, e de graduacao alcoolica de 25%; duas de medio envelhecimento, dez anos, com graduacao alcoolica de 35% e 43%; uma com alto envelhecimento, de graduacao alcoolica de 30%; e uma de altissimo envelhecimento, vinte anos, com 30% de graduacao alcoolica. Todos, com excessao do dez anos de 43%, exatamente todos eram perfeitos e saborosos. Tomei uma dose de cada, e fiquei vermelhinho da silva. Alegre, voltei flutuando ate o Oyado.... Naquela noite, dormi muito feliz. Mas eu sabia que algo ainda melhor me aguardava pelos proximos dias....


Da esquerda para dreita: 5 anos blerga, que "... faz ate parecer bonito bater na mae", 10 anos porreta, 10 anos arrebenta-tripa, 15 anos DO CARALHO e 20 anos para poucos mortais....

5 comentários:

Bettie Pernoca disse...

Fica triste não? Eu não li o post todo..

É MELHOR FALAR A VERDADE NÉ?!

Beijundas na bochecha docês e valeu pelo "bom dia"

A Bettie está voltando a ser aquela desvairada de sempre..

Maluco disse...

Hahahaha, Até bonito bater na mãe é?
Acho que já li isso em algum lugar. Hahahaha

Roberta disse...

Interessante...

Alucinógena disse...

Hum... não sou muito chegada a destilados de arroz.

Velho que é bom pra mim mesmo é o Barreiro. Aliás, me lambuzei 1 tantinho com ele em Campos do Jordão, no terraço da nossa pousada e em excelente companhia!

Bowie Macgowan disse...

Maluco,

Eu fiz questao de por a frase entre aspas para frisar que nao eh minha.
Mas tu podes dizer a todos que ela eh tua sim senhor!!!

Alucinogena,

Ja bebeste alguma vez?

Roberta,

Seja bem vinda!!!

Bettie,

NOS TE AMAMOS, sua besta.