quarta-feira, dezembro 26, 2007

"On an island" e "Remember that night"


"On an island", David Gilmour, 2006

Eu comprei a minha cópia do álbum "On an island" (David Gilmour, 2006) em Dezembro do ano passado, e minha cópia do DVD "Remember that night" (D. Gilmour, 2007) somente alguns meses após o seu lançamento. A cópia de "On an island", eu fiz questão de comprar uma edição especial para colecionadores disponível somente no Japão, já que eu ainda estava por lá. Não me arrependi nem um pouco: Além dela conter um DVD bônus com uma prévia do "Remember that night", ela também me deu um passe para fazer o download gratuito de "Island Jam 2007", uma faixa bônus que constava no site do D. Gilmour somente para quem havia comprado o disco.

E a cada audição do álbum, eu sentia algo complicado até de se explicar. Não era exatamente algo ruim, mas algo que inquietava. Como se sentisse saudades de um lugar diferente de onde quer que eu estivesse, e não importasse onde eu estivesse, sentiria saudades mesmo assim. É como sentir saudades de algo que não ocorreu (ainda). Explico-me: É como se mesmo que estivesse no Japão, sentiria saudades do Brasil, e vice-versa. O fato é que eu não saberia dizer exatamente de onde ou quem eu sentia aquilo, e não importa onde e quando, a inquietação viria à tona sempre que se ouvisse o disco.

Ao assistir o DVD "Remember that night", justamente após a faixa título do álbum, "On an island", o Sr. D. Gilmour explica para todos que assim o sentiram durante as audições do álbum: "Esta foi 'on an island', uma canção que fala de sentir a falta de pessoas e momentos que passaram e que já se foram para sempre". Entendi e acreditei: Era de propósito. Sinal de que compreendi bem o propósito, não apenas da faixa, mas do disco como um todo.


"Remember that night", David Gilmour, 2007. De fato, uma noite para ser lembrada por todos os que estiveram presentes, e compartilhada por todos nós que podemos assistir ao registro.

5 comentários:

Alucinógena disse...

Também sinto essas mesmas saudades quando escuto certas músicas. Saudades de algo que não sei se vivi ou não.

Maluco disse...

we're halfway to the stars...

CresceNet disse...

Gostei muito desse post e seu blog é muito interessante, vou passar por aqui sempre =) Depois dá uma passada lá no meu site, que é sobre o CresceNet, espero que goste. O endereço dele é http://www.provedorcrescenet.com . Um abraço.

L.S. Alves disse...

Esse é aquele ponto mágico da música. Quando ela desperta sentimentos e sensações que mal conseguimos explicar. Nessa hora a música transcende.
Fico feliz por teres encontrado algo assim.

Sujeito Oculto disse...

Eles nunca serão o que já foram um dia.