quarta-feira, maio 23, 2007

O final termina no começo

Quando você me deixou, eu não acreditei. Não conseguia entender como você podia ter desaparecido diante dos meus olhos sem eu perceber. Numa semana estávamos brincando, rindo, nos divertindo, tirando fotos, gravando lembranças, dividindo memórias. No outro, a gente trabalhou, ou melhor, você trabalhou pra mim enquanto eu coordenava o que você fazia pro resultado ficar como eu queria. Um tempo depois, você não tava mais lá.

E o pior de tudo foi você ter me deixado sem me avisar. Fiquei sozinha com a memória de todas as coisas maravilhosas que fizemos, cada imagem, momentos, experimentos, você deixou tudo gravado comigo e eu guardo até hoje. E de vez enquando eu revejo tudo novamente e tenho a impressão de que você ainda tá aqui juntinho de mim, me divertindo, me ajudando a concretizar idéias, fazendo mais e mais lembranças pra eu guardar.

Mas você não tá mais. Você foi embora, me deixou, mas não deixou explicação nem direção, só deixou uma sensação de impotência e a cruel constatação de que outra pessoa tinha tirado você de mim e que eu nunca mais conseguiria trazer você de volta. Foi horrível enfrentar o fato de não saber onde você estava, não ter notícias. Isso e também saber que você tinha ido embora com alguém que eu não faço idéia de quem seja. Como alguém pôde ser tão vil assim, capaz de tirar você de mim sem mostrar a cara? E vontade própria nunca foi uma das suas qualidades... você sempre se deixou levar. Era o fim... não cheguei a chorar, porque nem isso eu conseguia fazer. O vazio era tão grande que nem tristeza eu conseguia sentir. Nem mesmo raiva. Nada.

Só que a vida segue em frente. E a gente tem que andar também, senão ela passa por cima da gente. A perda foi imensurável, a falta, indescritível, mas aos poucos eu comecei a preencher o vazio com um sentimento robusto e voraz que consumiu ele todo: a certeza de que foi melhor assim, que as coisas só tenderiam a se deteriorar entre nós. Provavelmente eu perderia o encanto e te substituiria na primeira oportunidade que eu tivesse. Soube disso não muito tempo depois do seu sumiço: eu tava destinada a algo melhor!

E agora, esse dia chegou. Não vou ser hipócrita e dizer que não sinto a sua falta porque já tava acostumada com seu jeito, seu estilo de fazer as coisas. Conhecia você como ninguém, defeitos e qualidade e te amava apesar de qualquer coisa. Continuo amando mas no pretérito imperfeito. Só que o meu presente já me deu o meu presente, que tá prestes a chegar aos meus braços. E eu vou aprender aos pouquinhos, da mesma forma que aprendi com você, a conhecer o jeito, as formas, o estilo de fazer as coisas, os defeitos e as qualidades. Mas eu sei desde agora que já amo esse presente e todas as possibilidades que ele tá trazendo pra mim.

Sou eternamente grata por tudo o que vivemos e nunca vou esquecer você, meu amor antigo, mas sei que a minha felicidade agora mora com o meu mais novo amor que eu comprei hoje no Mercado Livre e que tá previsto pra chegar aqui em casa daqui a 15 dias. Espero, sinceramente que seu novo dono cuide direitinho de você como eu cuidei. Enquanto isso, eu e a minha seremos felizes para sempre! (pelo menos enquanto durar)

*Mas eu continuo querendo que o ladrão filho da puta morra de câncer no cú!

3 comentários:

edu disse...

deixa eu te pegar gata que eu não vou te largar mais!

SACANITAS disse...

eitha coisa boa esse comment ai de cima eioeoisdsahhas! :P
.
.
.
bom, pior que perder a camera eh perder as fotos. perdi um hd esse ano com todas as minhas fotos, ow tristeza.

hum, agora quer muitas fotos legais por aqui!

beijoca grandona!

Maluco disse...

Ninguém trabalha mais aqui não?