quinta-feira, agosto 31, 2006

Diário de bordo, ou Notícias de um quase-náufrago



Bom, já que minha presença é cobrada diariamente nesta casa de detenção, creio que deva explicar o que se passa.

1) Alguns estão carecas de saber. Sou biólogo marinho, mergulhador profissional, e estou no Japão, fazendo pós-graduação. Já tem uns três anos. Acontece que, por ser biólogo marinho, sou mandado para as localidades mais absurdas do arquipélago japonês, em geral ao sul, onde há ilhotas e mais ilhotas, quase impenetráveis pelo homem, não fossemos os biólogos marinhos que via de regra aparecem para "cagalizar" com o espaço. Em geral, nessas ilhas não há nada. Nem máquinas de coca-cola, nem mercearias, quase não há gente, e em geral os lugares são de dar inveja aos habitantes do Éden.

2) Estou faz um mês na ilha de Kuchierabujima (vocês devem esquecer esse nome em poucos minutos após a leitura deste post). Por causa de uns ventos malditos que vem chegando lá do Havaí, devo encurtar minha presença aqui, ao menos por uns tempos. Ao invés de voltar para Hiroshima - cidade onde vivo - somente no fim do mês, como estava previsto, estou literalmente lutando contra o tempo para sair daqui dia 4 próximo, já que a tempestade deve chegar dia 6. Incrível como tudo nesse país é pontual. Aliás, por ser hoje Primeiro de setembro, estamos oficialmente no Outono. Como se alguém houvera acionado um botão, o céu já está nublado e cinza, e a temperatura mais amena. Nem parece que vivíamos o verão infernal japonês até ontem...

3) Como o mar "não esta pra peixe", não posso mergulhar desde ontem... Ou seja: Estou sem trabalho, sem porra nenhuma pra fazer nesse fim de mundo. Para passar o tempo, trouxe uma mountain bike - citada posts abaixo - e faço traquinagens de subir e descer montanhas. Isso deveria ajudar a emagrecer, mas não tenho sentido resultado algum. Hoje, lá pelas tantas da noite, saio para caçar veados com um grupo de nativos aqui da ilha. Notem que se trata do veado animal, de carne saborosa, tenra e rica, diferente do "viado" fru-fru, como a Clo do post anterior, também de carne saborosa, tenra e rica, para os que gostam, como o Clemente e o Asterbaldo, contemporaneos da mesma. De qualquer forma, eu devo registrar essa caçada em fotos. Não é a primeira vez que mato esses bichos aqui, e o processo merece um post exclusivo no futuro, de preferencia ilustrado com as fotos de hoje.

Então é isso... Dia quatro de setembro eu devo voltar a Hiroshima, de noite. Primeira providencia, uns muitos pints de Guinness pra reativar meu sorriso, perdido há um mês. Dia cinco ou seis, posto sobre qualquer coisa, prometida ou não. Abraços!

4 comentários:

Maluco disse...

Hello, I love you, would you tell me your name?
The Cure Version!

Maluco disse...

Cara, toma cuidado e muito banho de chuva aí.
Manda noticias por celular na primeira oportunidade!

Alucinógena disse...

Hum... só não mostra foto do viadinho morto senão eu choro!
=(

Mulher Maravilinda disse...

Ai, concordo com a Bê, também não quero ver uma fotinho assiiiiiiim!
:~c(