quinta-feira, março 22, 2007

Axioma de Manson

Recebi o seguinte texto no e-mail. Achei importante divulgar.

Agora que recebi oficialmente o título de bacharel em economia, me sinto àvontade para incluir em meu repertório de textos algumas teorias que nãopodem ser encontradas em clássicos como Smith, Ricardo ou Marx, mas quetodos os indivíduos com um pouco de inteligência podem perceber. Talvez oconceito mais difundido nos estudos de economia política seja a "mãoinvisível", uma espécie de força oculta que faz os mercados ajustarem-seperfeitamente, compatibilizando as expectativas de milhões de agentes. Por"organizar o caos", a "mão invisível" coordena a produção e possibilita oprogresso de nossa sociedade capitalista. Isso é muito bonito no papel,mas tudo não passa de conversa fiada para colocar em prática o que nóseconomistas somos treinados para fazer diariamente: enrolar o cidadãocomum.
Mão invisível uma ova!
O que coordena a decisão econômica dos indivíduos e faz o mundo progredirsão as bucetas. Posso soar simplista, talvez um pouco machista ou atépervertido, mas se vocês observarem o quadro com olhos de "macacos quederam certo" (o que realmente somos) o conceito é óbvio. Somos animais.Tudo bem que nos diferenciamos dos demais pela nossa capacidade de secomunicar por formas mais sofisticadas do que cheirar o cu doscompanheiros de espécie, mas na essência somos animais. Todos sabemos queo objetivo da vida de um macaco é se reproduzir. Para isso ele fica forte,dá uns gritos maneiros e sobe mais alto na árvore. Mostrando que é maiscompetente do que os outros, ele consegue a buceta das macacas.
Nós evoluímos e largamos a vida na floresta para comprarmos coisas inúteiscomo cartões postais,descansos para copos e cotonetes. Resolveram chamar isso de sociedadecapitalista.Em uma sociedade capitalista, nós não conseguimos buceta nenhuma subindo em árvores. A forma de mostrarmos a nossa "competência" como macho dominante é ostentar carros bonitos, roupas da moda e perfumes franceses.
Poderíamos viver perfeitamente sem isso tudo, mas a expectativa deconseguir cada vezmais bucetas nos motiva a trabalhar muito mais do que o necessário.
Trabalhar mais do que o necessário significa sair de uma condição desubsistência e gerar acumulação. Ou seja, a sociedade acumula, o mundo evolui e este é o progresso. Vou até mais fundo. No conhecido livro "A Riqueza das Nações", Adam Smith (o mesmo da mão invisível) diz que ariqueza de um país começa com o nível de divisão do trabalho de sua sociedade. Quanto mais dividido, mais produtivo é o trabalho.
Mas o que nos motivaria a ser mais produtivos ainda? A escassez, é claro!
Quanto menor o número de vaginas disponíveis em uma sociedade, maior será o esforço produtivo necessário para conquistá-las O Axioma de Manson explica o fato de a revolução industrial ter começado na Inglaterra. Não é necessário ser nenhum PhD para saber que a quantidade e a qualidadedas bucetas inglesas eram no século XVIII (e ainda são até hoje) as piores do mundo. Já na América Latina, pobre e pouco produtiva, as vaginas são abundantes e de excelente qualidade. Enquanto um brasileiro fatura uma buceta andando de ônibus, usando chinelo e pagando um cachorro-quente de um real para a sua proprietária, um inglês teria que trabalhar mais de 40 horas semanais para conseguir ter um carro, um terno da moda e pagar jantares em restaurantes românticos para conquistar uma buceta de qualidade equivalente.
Poderia, além do conceito de localização geográfica, introduzir no tema fatores sociais como a religião. Todos sabemos que as judias demoram mais para dar do que as protestantes, que por sua vez, são mais restritivas com suas vaginas do que as católicas. - Nota esclarecedora: estou afirmando que judias e protestantes demoram mais para dar, e não que elas dão menos, mas isso é assunto para um outro texto. - Comprovamos, mais uma vez usando o Axioma de Manson, o motivo dos judeus serem mais ricos (ou produtivos) do que os protestantes e católicos.
Eles precisam trabalhar mais para conseguir o que nós, pobres cristãos subdesenvolvidos, conseguimos com mais facilidade.
Este axioma pode ser desdobrado em uma série de vertentes, mas vou me limitar a estes dois exemplos (geográfico e religioso) para que o meu artigo não fique demasiadamente longo.
Como todo pesquisador, quero usar minha teoria para apontar soluções para o problema. Concluo sugerindo que o poder público brasileiro tome medidas para que nossas fêmeas valorizem mais as suas vaginas, pois somente assim poderemos viver em um país desenvolvido. Enquanto elas insistirem em usá-las para se esfregar em "boquinhas de garrafa" e catar sabonetes em"banheiras do Gugu", estaremos condenados a vidas pouco produtivas.Por favor mulheres, não tratem seu bacalhau como qualquer filé de merluza, para o bem da economia nacional

3 comentários:

SACANITAS disse...

melhor de tudo eh o marcador! :P

Moni disse...

Bá, parei no meio. Juro que retomo o texto...

Bjs

AlphaZine disse...

Eu li tudo. XD