segunda-feira, janeiro 30, 2006

Cisma, tara, tesão

Ninguém sabe explicar, o fato é que ele e ela jamais serão fraternos de tapinha nas costas, beijos na testa,jamais! São anos, anos, desde a época do colégio. Passam séculos sem notícias um do outro,mas quando se encontram obedecem a um velho ritual, primeiro um papo ameno, depois uma troca de olhares, telefones...é praxe, os amigos comuns já sabem, os mais sacanas comentam "é o fogo perto da palha", as mal comidas dizem "é sem vergonhice", os mal amados e muito frustrados repetem "é doença", os cultos e sensatos "é burrice", os românticos incorrigíveis "é paixão" ao que eles sempre respondem " é cisma, tara, tesão".
é simples.

Um comentário:

Alucinógena disse...

E as lunáticas incuráveis dizem: É BOM DEMAIS ISSO SIM!
hehehe